9.2.15

Vamos Falar de Coisa Séria? Vamos Falar de Herpes Genital!


A herpes genital pode ser facilmente transmitida durante a relação sexual entre mulheres, uma vez que a transmissão não é feita necessariamente por penetração,ela é mais comumente transmitida pelo contato com a pele de uma pessoa infectada que tem lesões visíveis, bolhas ou erupções (uma crise ativa), mas você também pode contrair herpes a partir do contato com a pele de uma pessoa infectada mesmo quando NÃO há lesões visíveis (e a pessoa pode nem saber que está infectada) ou pelo contato com a saliva ou com fluidos da vagina.

A doença é mais comum na vagina, principalmente quando o vírus causador é o HSV2. Aproximadamente uma em cada quatro mulheres está infectada. 

Muitas vezes, as pessoas não sabem que foram infectadas com os vírus do herpes genital, porque é comum que a doença não manifeste sinais ou sintomas. Mas pode acontecer de a pessoa presenciar alguns sintomas característicos: 

  • Dores e irritação que surgem de dois a dez dias após o contágio.
  • Manchas vermelhas e pequenas bolhas esbranquiçadas que costumam surgir dias após a infecção.
  • Úlceras na região dos genitais, que podem até mesmo sangrar e causar dor ao urinar.
  • Cascas que se formam quando as úlceras cicatrizam.
  • Corrimento vaginal ou, ocasionalmente, não podem esvaziar a bexiga e precisam de um cateter urinário.
Nos primeiros dias após o contágio, a pessoa infectada pode apresentar sintomas muito parecidos com os da gripe:
  • Apetite reduzido
  • Febre
  • Mal-estar geral
  • Dores musculares na parte inferior das costas, nádegas, coxas ou joelhos.
As feridas características do herpes genital surgem imediatamente quando o vírus entra no organismo. Você pode espalhar a ferida tocando-a e, depois, passando as mãos por outras partes do corpo. 
A lesões da herpes genital feminina também pode aparecer dentro da vagina e no cérvix (abertura do útero), e nas passagem urinária tanto na herpes masculina quanto na feminina. Pequenos caroços vermelhos aparecem primeiro, os quais se desenvolvem em bolhas pequenas e então se transformam em feridas dolorosas que coçam e irão sarar sem deixar cicatriz.

Uma segunda crise pode aparecer semanas ou meses depois da primeira. Essa crise é quase sempre menos grave e de menor duração que a primeira. Com o tempo, o número de crises pode diminuir. 

Uma vez que uma pessoa é infectada, no entanto, o vírus se esconde nas células nervosas e permanece no corpo. O vírus pode permanecer adormecido por um longo período.

A infecção pode se reativar ou piorar a qualquer momento. As situações que podem ativar infecções latentes e iniciar uma crise incluem:
  • Fadiga
  • Irritação genital
  • Menstruação
  • Estresse físico ou emocional
  • Trauma.
Caso note a presença de feridas na região genital procure um especialista imediatamente, que pode ser um urologista ou ginecologista. Na consulta médica, descreva todos os seus sintomas e tire as dúvidas que você venha a ter, como essas:
  • Devo realizar exames para detectar outras doenças sexualmente transmissíveis?
  • Minha parceira também deve fazer esses exames?
  • Devo evitar manter relações sexuais enquanto estiver em tratamento?
  • Como posso fazer para evitar que minha parceira também seja infectada?
Ainda não há cura para herpes genital, mas o tratamento pode ajudar a evitar a recorrência da doença e impedir que ela cause complicações mais graves e que se espalhe pelo corpo. Acompanhamento médico pode, também, agir para amenizar os sintomas e para não transmitir herpes para outras pessoas. 

A melhor forma de se prevenir herpes genital e outras doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) é fazendo uso de preservativos durante atos sexuais.

Se sua parceira estiver infectada com herpes, é melhor evitar qualquer tipo de contato sexual até que a doença esteja sob controle. 
Na gravidez, se a mãe for diagnosticada com herpes genital, o médico recomendará o uso de medicamentos antivirais para evitar que o bebê contraia a doença durante o parto. Em último caso, a cesariana pode ser considerada também como uma opção.

Ps. Para encerrar a série de postagens sobre o Programa Vamos Falar de Coisa Séria, teremos uma entrevista com a Dra. Julia Rocha, em que serão esclarecidas dúvidas sobre o tema DST/AIDS no sexo lésbico/bissexual. As perguntas que irão compor a entrevista serão escolhidas dentre as que as leitoras enviarem ao Domínio Pessoal. As perguntas poderão ser enviadas pelo “Pergunta-me” aqui mesmo em nossa página, ou por email.



Avalie este artigo


3 comentários :

  1. Olá! Olá!! Olá!!! Visitantes Uma ótima oportunidade está agora ... Alguém ainda duvida de ervas naturais? Todos sabemos que o herpes é uma das doenças sexualmente transmissíveis mais comuns, levando muitos a se perguntarem como se livrar naturalmente do herpes. Infelizmente, eles não encontraram uma solução definitiva para o herpes, mas hoje eu trouxe-lhe a ótima oportunidade que todos esperamos porque vi a grande importância das ervas naturais e o maravilhoso trabalho que fizeram na vida das pessoas. Eu me pergunto por que as pessoas ainda gastam seu dinheiro em cirurgia, injeções e drogas cada vez que estão doentes ou diagnosticam. As ervas naturais podem curar todos os tipos de doenças, incluindo herpes, diabéticos, asma, HIV, hepatite, etc. Eu vi isso com meus próprios olhos. Fui curada de Herpes e minha tia e seu marido foram curados de HIV pelo Dr. Okhadigbo que usa ervas naturais para curar diferentes tipos de doenças. Mesmo o Dr. Okhigbochie e o Dr. Okhadigbo provaram ao mundo inteiro que as ervas naturais podem curar todas as doenças e curou inúmeras pessoas que usam ervas naturais. Eu sei é difícil de acreditar, mas sou um testemunho vivo. Não há dano na tentativa de ervas. Ele também é um conjurador de feitiços, ele pode lançar um feitiço para restaurar seu casamento de volta ao normal, um feitiço de boa sorte para prosperar na vida e se destacar em tudo o que faz na vida. Você pode chegar ao Dr. Okhadigbo através de seu e-mail em dr.okhadigboherbalhome@gmail.com. Deus te abençoê!!

    ResponderExcluir
  2. Sou lésbica,gostaria de saber se eu posso masturbar e penetrar com as mãos uma mulher infectada com herpes genital , sem eu correr o risco de ser infectada.
    Também gostaria de saber se ela pode fazer oral e me penetrar com as mãos.

    Por favor preciso muito dessa resposta, de ja agradeço.

    ResponderExcluir
  3. Acho que há o risco sim. Principalmente, quando a sua imunidade está prejudicada, tornando seu organismo mais vulnerável.

    As informações da matéria são claras pra responder esse seu questionamento, veja: "A herpes genital pode ser facilmente transmitida durante a relação sexual entre mulheres, uma vez que a transmissão não é feita necessariamente por penetração,ela é mais comumente transmitida pelo contato com a pele de uma pessoa infectada que tem lesões visíveis, bolhas ou erupções (uma crise ativa), mas você também pode contrair herpes a partir do contato com a pele de uma pessoa infectada mesmo quando ***NÃO*** há lesões visíveis (e a pessoa pode nem saber que está infectada) ou pelo contato com a saliva ou com fluidos da vagina."

    ResponderExcluir

Atenção: Você não precisa realizar login para comentar, basta escolher a opção anônimo em ''comentar como''.