16.4.15

O estado é laico, mas, crescei-vos e multiplicai-vos?

Parece que o congresso se preocupa menos com a criminalidade e mais com o amor, ou será que no fundo o que vale é o interesse pessoal  mascarado de populista?

Novamente vem à tona, através de projeto de lei intitulado de estatuto da família, mais uma tentativa de descaracterizar o conceito de família com base em laços de afetividade para defini-lo apenas e, simplesmente, como UNIÃO CONTRATUAL entre HOMEM e MULHER! Dando, inclusive, incentivo financeiro a quem opta pela união heteronormativa.

Parece que tais palavras demonstram uma posição radical, mas não... Afinal, não seria nada radical pensar que se o Estado, mesmo diante de tanta crise financeira em seu governo, se preocupa MUITO que casamento e privilégios que advenham deste sejam conferidos para uniões entre homem e mulher, notória é a intenção de incentivar a procriação e intencionalmente, por consequência, fomentar a economia do país, haja vista que a única diferença entre um casal homo e um hétero é a capacidade ''natural'' de gerar descendência¹.

Recentemente, a título de exemplo, um prefeito proibiu a venda de preservativos e anticoncepcionais em uma cidade com a finalidade de aumentar a população da mesma e assim arrecadar mais impostos, então pare e pense: Cê acha mesmo que o estado esta preocupado com o ‘’amor’’! Se você que esta lendo esta postagem for hétero&homofóbico, se toca! o interesse do Estado com a conceituação de família tem por única finalidade a geração de lucros através dos gastos que essa entidade familiar tem por obrigação social gerar devido aos padrões impostos com a concepção de filhos,  aumentando, dessa forma, os valores do PIB (produto interno bruto = bufunfa nos cofres públicos = maior poder aquisitivo de quem comanda a budega chamada Brasil) afinal, não se pode negar que em uma analise fria da situação, o povo é quem gera renda para o estado e, no caso do Brasil, a democracia é oligarquia!

Portanto, ódio fundamentado em amor digno ou não perante uma sociedade e o seu respectivo governo não passa de alienação por parte do último. De fato, casal do mesmo sexo não se reproduz sexualmente, no entanto, acredite: Entidade familiar heteronormativa é vista diante dos olhos do Estado apenas como um núcleo de procriação que gera renda, assim sendo, convém ao Estado protege-la, afinal, muitos filhos é sinônimo de mais impostos para impor à sociedade, portanto, tirando esse ''detalhe'', hétero se equivale à um homossexual diante dos olhos dos governantes, haja vista que, na visão deles, a sociedade é um sistema de capital (por mais que este não seja o regime adotado no país) que deve sempre prosperar.

Se você pensa que tudo o que foi escrito aqui é apenas crise de inconformismo e não fruto de estudos e reflexões, se permita pesquisar pela internet e descubra que alguns países criaram programas que incentivam mulheres a optarem pela maternidade dando, inclusive, auxílio financeiro pra lá de atraente a fim de incentivar casais ‘’héteros’’ à optar por filhos cada vez mais cedo, fato que demonstra não só a intenção mercantilista pelo núcleo familiar hétero, bem como, a invisibilidade do sexo feminino como ser humano, tornando-a como máquina de procriação estatal, haja vista que, nesses programas, a mulher deve se dedicar exclusivamente à maternidade e jamais à profissão!


Ainda duvida? Acessa e veja as seguintes publicações de renomados sites de noticias na internet:



¹ Em 02.03.2015 foi publicado no DoMiNIo mais um feito cientifico histórico, qual seja: a possibilidade de se gerar um ser humano através de células tronco. Saiba Mais! 


Avalie este artigo


Postar um comentário

Atenção: Você não precisa realizar login para comentar, basta escolher a opção anônimo em ''comentar como''.