7.4.16

DST’s que você pode ter (e nem imagina)

Definitivamente doenças sexualmente transmissíveis não é um assunto muito comum entre lésbicas. Seja pelo fato de algumas acharem que sexo seguro é chato, ou porque realmente acreditam que em relações lésbicas o contágio seja mínimo ou até mesmo inexistente. Grande parte deste tipo de pensamento se dá pela falta de visibilidade e negligência dos órgãos e profissionais de saúde em relação à saúde sexual da mulher que se relaciona sexualmente com outras mulheres.

Prevenir-se e conhecer sobre doenças sexualmente transmissíveis é um dever e direito de todas, pois só a partir disto é que se pode garantir uma vida sexual prazerosa e saudável. Fazer os testes para TODAS as DTS’s existentes é extremamente importante, mesmo que você seja monogâmica e não se enquadre a nenhum “grupo de risco”, afinal de contas sua saúde é prioridade e deve ser tratada como tal.

Mesmo com a falta de informações específicas para a saúde sexual da mulher lésbica e bissexual, a maioria destas conhece ou já ouviram falar nos “sinais de alerta” habituais de uma DST. O problema é que existem doenças e infecções que não apresentam claramente seus sintomas, e ainda assim podem ser transmitidas para terceiros.

Além disto, é preciso ter em mente que o médico nem sempre verifica tudo, inclusive o que não falta são profissionais que não fazem a mínima ideia de como orientar mulheres homossexuais a se prevenirem em relação a doenças sexualmente transmissíveis, acarretando em um grande número de doenças não testadas e um diagnóstico impreciso. É importante que ao se consultar com sua/seu ginecologista solicite exames,pergunte,tire dúvidas, mesmo que você as considere irrelevantes, afinal de contas quando o assunto é saúde nada é irrelevante.

Mesmo que você não apresente qualquer sintoma, existem doenças que devem ser sempre verificadas. Veja a lista de algumas delas:

Clamídia

A maioria das pessoas que têm clamídia não apresentam sintomas, e os sintomas que estão presentes muitas vezes passam despercebidos. Se você nunca fez um exame específico para esta doença, seria uma boa ideia fazê-lo.

HPV

HPV (ou papiloma vírus humano), muitas vezes começa com pouco ou nenhum sintoma. No entanto ele pode se transformar em câncer cervical se não for detectada a tempo.

Sífilis

Ao contrario das outras doenças nesta lista, a sífilis é quase sempre anunciada por feridas. Essas feridas podem até não ser dolorosas, levando muitas pessoas a pensarem que não merecem a devida atenção, entretanto prevenir sempre será melhor que remediar. Caso apareça algum tipo de ferida pelo corpo e órgãos genitais procure um médico.

Triconomíase

Muitas vezes não apresentam sintomas. Caso não seja tratada pode evoluir para uma infecção do trato urinário. Se este é o primeiro sinal do problema, já é um problema. Faça o exame!

Verrugas Genitais

Após o contato com uma verruga genital, podem levar até seis meses para que as verrugas apareçam em você também.  Se você teve contato com alguma verruga genital, mesmo que não tenha aparecido nenhuma em você, procure sua/seu médica (o), isto irá evitar problemas futuros.

HIV

Os sintomas do HIV podem demorar dias, ou mesmo semanas para se manifestarem, e quando aparecem são facilmente confundidos com uma gripe. Além disso, seus exames podem apresentar resultado negativo até seis meses após o contágio. Portanto é necessário que se faça exames regulamente antes de ter relações sexuais com qualquer nova parceira.

Hepatite B

Pode levar meses até que os sintomas da hepatite B apareçam, mas isso não a faz menos contagiosa.

Cancro Mole

Cancro mole (ou feridas genitais) geralmente é menos doloroso em mulheres, e muitas vezes são esquecidas por causa disso. Você inclusive pode nem sequer notar as feridas, principalmente se esta acostumada com a irritação após raspar os pelos das genitálias.

Escabiose (Sarna)

Sim, a sarna é uma DST!

Os sintomas da sarna podem levar até seis meses para se manifestarem, e não se limitam a atividades sexuais – você pode pegá-la em colchões e grama alta por exemplo. Tais sintomas geralmente são confundidos com alergia de contato da pele ou dermatite.

Piolho púbico

Se você sente coceira no púbis, isto pode não ser uma alergia, mas sim um piolho púbico - e você precisará de uma lupa para enxerga-lo. Como a maioria das pessoas não verificam suas vaginas com uma lupa, muitas vezes é melhor fazer um exame para descartar a possibilidade de estar abrigando essas criaturinhas nos seus pelos.

Lembre-se, sua saúde é prioridade, cuide-se!

Quer saber mais sobre a saúde da mulher lésbica? Clique AQUI.


Avalie este artigo


Postar um comentário

Atenção: Você não precisa realizar login para comentar, basta escolher a opção anônimo em ''comentar como''.